somos somas... devir coletivo que ama o corpo da cidade. que diz sutilmente "ame", "dê vexame","até parir um pérola, ai dentro". a cidade carece de eros. seus habitantes carecem de eros em todas as dimensões de suas vidas anônimas.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

ame I











ou prospecta 2009


oficina: intervenção urbana, com o pessoal do EIA-SP...
proposta: jogo lúdico de perceber-se cidade.
desdobramento: ACORDA...
minha memória desse vivido começa por um engano.
cheguei atrasada e entrei na oficina de fotografia, atravessei* e sai...
na saída encontro com a milena, integrante do eia, que ficou como minha parceira para o primeiro momento da oficina, na qual a proposta era realizar um exercício de confiança e ampliação da percepção.
em dupla, sendo que uma "guia" e outra "cega"... deveríamos propiciar um passeio pelo espaço onde nos encontávamos, até um determinado ponto...
acredito que minha descrição não está clara, mas memórias nunca são claras...
eu comecei como guia, meu intento era conduzir milena até um graffite do marcelus bob, que me chamou atenção quando estava chegando na ribeira. mas no meio do caminho acabei cedendo ao chamado do meu olfato. na mesma decida, numa curva do caminho, havia um carrinho de milho assado, e eu, fui assaltada pela surpresa do cheiro...
sendo assim acabei levando milena à compartilhar comigo dessa surpresa, que complementei com o tato, posto que o carrinho fica emanando calor...foi muito legal perceber a surpresa dela também... cheiro de milho, calor, numa curva da cidade desconhecida...
ela me conduziu para a lateral do teatro alberto maranhão, na verdade na esquina oposta... foi interessante, pois ela me rodou bastante..mesmo assim... tinha noção de para onde ela estava me levando.
ao final, o grupão se formou em circulo e fomos relatar a experiência.
a proposta para o dia seguinte era usar as cartas...
como num jogo, cada qual escrevia no papel uma "tarefa" para quem pegasse a carta.
cada integrante do eia(eduardo, milena e gustavo), ficou com uma parte do grande grupo.
fiquei no grupo do gustavo, cada pessoa saia para cumprir sua missão depois nos encontraríamos pelo centro.
minha missão: ensinar para quatro pessoas uma dança popular daqui(natal,rn,brasil,américa do sul, hemisfério sul, planeta terra, sistema solar).
subi para a cidade alta, me enveredei pelo beco da lama, parei num bar onde haviam quatro senhores bebendo. abordei, falei de minha intenção, propus dançarmos um côco de roda... não toparam.
me disseram para seguir até a praça padre joão maria, nisso um homem se ofereceu para ir comigo.
fomos conversando, ele me contando que foi jogador de futebol, morou fora, teve certo destaque no cenário profissional, mas acabou com tudo no "vício"...
chegando na praça, um local interessante no centro da cidade por onde passam pessoas que acenden velas, rezam, deixam ex-votos pelas graças alcançadas(parte "sagrada" da praça)e onde ficam pessoas que alugam seu corpo, vendem artesanato, ou dão um tempo(parte "profana" da praça)...
lá ensaiamos um arremedo de dança, muito acabrunhada...(danado é isso... essa mulher querendo ensinar a gente a dançar côco?)
acabou rolando, na praça, o encontro entre as pessoas que tinham ficado com o guga.
harlane, cristina, tiê, sara, patrícia, guaraci, um barbudo(?), o guga e (devo estar esquecendo algúem) eu...
guaraci tinha como missão recolher lixo no rio potengi, na bagagem trouxe garrafas de vidro e uma moldura/janela.
nela começamos a depositar nossos desejos de saúde, dinheiro, amor...
pedimos autorização ao sr.gabriel(o guardião da parte sagrada), para deixar nosso ex-voto. registramos fotograficamente o momento,decidimos colar as fotos no pedestal do "padre"...
enquanto esperávamos as fotos serem reveladas, fomos para o bar da nazaré, no beco da lama,prozear...
a proposta para o último dia da oficina era trazer "algo", personagem, figurino, proposta de intervir no centro/ribeira...
pensei que personagem já tinha! eu mesma!resolvi levar uns "lambes"... sempre tive vontade de espalhar lambes pela cidade... decidi que seria ótima oportunidade.
já fui no clima, entrei no ônibus, sentei e comecei a fazer crochê... pedi para um garoto que estava com sua mãe no banco ao lado para fazer o registro fotográfico, daquele momento...
quando cheguei na oficina, e contei que tinha trazido uns lambes... uma voz de pronto disse: -lambes? se quiser ajuda!
olhei em direção da voz e vi dois olhos brilhando...
foi nessa "fermentação visual" do prospecta 2009, que nos encontramos...

continua...

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Seguidores

Arquivo do blog

devir coletivo

Minha foto
as definições, as conceituações, me entram, como se diz, por um ouvido e saem pelo outro... sou.